Quando eu era criança, na década de 1970, na tv preto e branco havia uma série de desenhos chamada “The Marvel Super Heroes”, que basicamente fazia uma apresentação de slides, narrada, com os quadrinhos da Marvel, Capitão América, Vingadores, Hulk, etc. Se você quiser, é possível escavar algo dessa série no YouTube.

Uma dessas estórias é um clássico. Considerada até hoje uma das melhores estórias já publicadas pela Marvel: “The Sleeper Shall Awake” de 1966; onde o Caveira Vermelha, o grande oponente do Capitão América na IIª Guerra Mundial, deixa um conjunto de grandes robôs hibernando após a derrota nazista. Ao acordarem, esses “hibernantes” irão se juntar para derreter a calota polar, chegando até o núcleo da Terra1.

Muito bem, como resquícios da Revolução Industrial nosso espaço vital está repleto de “hibernates” que, assim como no quadrinho, estão à espera de uma oportunidade para nos destruir.

A barragem de contenção de Brumadinho, assim como são a maioria dessas construções, tem quase cinquenta anos. Foi construída em 1976.

Muito provavelmente por um engenheiro sênior, supervisionando o seu projeto. Fundamentalmente, um profissional com pelo menos vinte anos de experiência. Ou seja, que se formou na década de 1950, com o conhecimento da década de 1920, ou na melhor das hipóteses de 1930.

De forma pragmática, apenas para encerrar essa etapa da discussão…é óbvio que isso ia dar errado. Para falar a verdade, até que demorou e quem fez, lá atrás, trabalhou muito bem com o que tinha à disposição.

A resposta, à pergunta inicial, é simples. Nós.

Nós, toda a sociedade brasileira, somos culpados por Brumadinho.

Nós ignoramos o aviso de Mariana.

Nós deveríamos ter dado o recado claro para a VALE e a todas as organizações envolvidas (CVM, IBAMA, Governos Estaduais e Federais, etc.), de que não admitiríamos mais falhas desse tipo. Porque temos conhecimento, atualmente, para prevenir esse tipo de tragédia anunciada.

É isso que devemos fazer agora e muito provavelmente nas duas próximas gerações, desenterrar os “hibernantes” que nossa sociedade orientada ao consumo linear nos deixou. Alguns serão facilmente eliminados, outros levarão milhares de anos para desaparecer.

Na outra ponta, devemos parar de criar nossos “hibernantes”, aprendendo a preservar o valor de tudo o que tem valor, por design e não mais por acaso apenas.

Esta é a função da circularidade e a transição da Economia Linear atual para a Circular.

E é dever de todos nós refletirmos sobre isso. Porque o próximo desastre, que certamente virá, terá uma parcela de culpa nossa muito maior, se não começarmos a mudar nossa forma de pensar a sustentabilidade de nossa sociedade. Rápido.

1 Você encontra essa publicação, nas livrarias especializadas, sob o título de Biblioteca Histórica Marvel – Capitão América nº 1, “O Despertar do Hibernante”, pela editora Panini.

por: Nelson Marinelli Filho

admin | matheus@ativecon.com.br

Related Posts

Mestre, professora universitária e líder dos projetos de capacitação específica, com uma capacidade única em transformar requisitos gerais em elementos funcionais e reais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *