Hoje, nós trabalhamos em um ambiente de marketing caracterizado pelo contato direto com o consumidor (“direct-to-consumer”).
Isso foi construído a partir das funcionalidades que o comércio eletrônico (“e-commerce”) tornou acessível a todos: vendas on-line, produção sob encomenda e entrega customizada mudaram as regras do jogo do comércio.
As lojas físicas já não são a única forma de os consumidores adquirirem bens, e talvez mais importante, cortando os intermediários desnecessários, as empresas de manufatura podem agora fazer produtos de alta qualidade para as pessoas não podiam adquirir seus produtos, em função dos preços, durante uma época em que a compra diretamente do fabricante não era possível.

No entanto, as lojas físicas de alta qualidade de marcas de varejo ainda existem e prosperam. As pessoas ainda gostam de ir às lojas e por uma boa razão: em muitos aspectos comprar no mundo real, e não no virtual, pode ser uma experiência social muito gratificante. Porque, mesmo sendo o site de compras mais moderno, não tem como saber se aquele item que você escolheu realmente lhe agradou. No e-commerce basta uma experiência minimamente ruim para que o cliente abandone a sua base, enquanto que no comércio real o relacionamento, o elogio e o diálogo se encarregam de entender as reais necessidades do cliente e de garantir a entrega de valor.
Porém a agilidade de comunicação e a facilidade de estar presente no dia a dia do consumidor do e-commerce faz com que ele se interponha constantemente na relação dos clientes com os atores do comércio de sua comunidade. Para evitar isso, esses atores (lojistas, donos de restaurantes, pequenos prestadores de serviço, etc.) devem se posicionar para valorizar a experiência de consumo real e, para alcançar este objetivo, precisam aproveitar as oportunidades que a tecnologia (TICs – Tecnologias de Informação e Comunicação) lhes proporciona.
No nosso próximo post vamos complementar esses conceitos com as quatro regras básicas que os comerciantes locais devem seguir para construir sua estratégia básica.

admin | matheus@ativecon.com.br

Related Posts

Esta pequena estória já me acompanha há vinte e seis anos, desde que eu a li em um gibi do Capitão América. Gibi mesmo, ainda demorou um bom tempo para essas publicações serem chamadas de quadrinhos…e eram bem baratas. Mas a sua mensagem torna-se incrivelmente útil em nosso momento atual e vale uma pequena discussão. […]

Trasformamos um excelente artigo de CHRIS ANDERSON (curador do TED), sobre como arrasar em uma apresentação, em uma sequência de slides que vocês podem usar e compartilhar livremente.   [inbound_forms id=”176″ name=”Como arrasar em uma apresentação”]

Este post começa a discussão sobre os principais fatores de mudança e as habilidades que deverão ser desenvolvidas para a jornada relacionada ao estabelecimento da Economia do Conhecimento.   2015.06.01 – Nelson Marinelli Filho Ao utilizarmos a ideia de que as populações mundiais estão envelhecendo estamos apenas resumindo todo o conjunto de eventos relacionados à […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *