Neste momento, todos os profissionais que usam intensamente o conhecimento técnico, ou acadêmico, estão sentindo um forte momento de transição em seus nichos de atuação. Isso acontece em função da rápida expansão das fronteiras da comunicação.

 

Em outras palavras, qual a diferença, para um dono de uma pequena rede de butiques com marca própria, contratar um design na Itália, na França, ou em qualquer outro lugar do mundo, ao invés do Brasil para produzir sua coleção?

 

A resposta é simples: muita, pois provavelmente o trabalho desses profissionais de outros países será mais rápido, qualificado e barato.

Essa afirmação é abrangente, mas quem quiser aprender mais sobre essa tendência pode começar através deste link de uma matéria recente da publicação inglesa The Economist, intitulada Workers on tap e publicada em janeiro de 2015, lembrando que esta revista seguramente está entre as cinco que melhor entenderam, em todo o planeta, a transição para a Era Digital e, depois, para a Era Social da mídia:

 

http://www.economist.com/news/leaders/21637393-rise-demand-economy-poses-difficult-questions-workers-companies-and

derekbacon

Neste novo ambiente, esses profissionais devem, antes de tudo, aprender a importância de investir em sua presença digital. Para isso é interessante refletir sobre alguns pontos:

 

1) O seu valor está relacionado à sua proposta, ao seu posicionamento e à sua história. Nunca ao seu preço e, em muitos casos, ao o que você representa agora e não ao que você foi, ou poderá ser. Assim, pense muito bem ao falar de seus clientes anteriores;

 

2) Neste caso, mais é mais! Ou seja, não tenha medo de apresentar suas propostas e deixar clara quais são suas premissas de trabalho;

 

3) Quanto mais perto você estiver do seu cliente mais facilmente será lembrado. Assim, saia do casulo, produza conteúdo de valor, tenha um site moderno e use as mídias sociais; e

 

4) Dê opções ao seu cliente. Quanto maior o número de serviços que você pode prestar, maiores são as chances de você ser contratado. Fatie a picanha!

 

Essas são premissas fundamentais, para um profissional do conhecimento estabelecer uma estratégia de Presença Social mínima e ter alguma chance de competir neste novo mercado globalizado que se tornou uma aldeia.

 

Se quiser ajuda, ou apenas conversar, não tenha receio de entrar em contato.

admin | matheus@ativecon.com.br

Related Posts

Esta pequena estória já me acompanha há vinte e seis anos, desde que eu a li em um gibi do Capitão América. Gibi mesmo, ainda demorou um bom tempo para essas publicações serem chamadas de quadrinhos…e eram bem baratas. Mas a sua mensagem torna-se incrivelmente útil em nosso momento atual e vale uma pequena discussão. […]

Trasformamos um excelente artigo de CHRIS ANDERSON (curador do TED), sobre como arrasar em uma apresentação, em uma sequência de slides que vocês podem usar e compartilhar livremente.   [inbound_forms id=”176″ name=”Como arrasar em uma apresentação”]

Este post começa a discussão sobre os principais fatores de mudança e as habilidades que deverão ser desenvolvidas para a jornada relacionada ao estabelecimento da Economia do Conhecimento.   2015.06.01 – Nelson Marinelli Filho Ao utilizarmos a ideia de que as populações mundiais estão envelhecendo estamos apenas resumindo todo o conjunto de eventos relacionados à […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *